Terça-feira, 15 de Junho de 2004
CNPD chumba reciprocidade na troca de dados entre Fisco e PJ
A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD), num parecer a que o Jornal de Negócios teve acesso, diz considerar ilegal e inconstitucional o projecto-lei que regulamenta o acesso da Polícia Judiciária (PJ) às bases de dados da Segurança Social e do Fisco.



Segundo a CNPD, o actual projecto extravasa os limites fixados pela autorização legislativa ao permitir o acesso da Segurança Social e da Administração Fiscal aos dados da PJ. Segundo este parecer, publicado esta terça-feira no jornal, a autorização legislativa prevê a interconexão de dados entre aquelas entidades por forma a facilitar o acesso em tempo real pela PJ aos dados registados na Administração Fiscal e na Segurança Social que sejam relevantes para as investigações sobre crimes tributários, branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo.
No entanto, segundo a CNPD, a autorização legislativa não permite que os serviços da Administração Fiscal e da Segurança Social acedam aos dados registados na PJ.

Para a Comissão, o projecto-lei do Governo, ao permitir a reciprocidade do acesso à informação, desvia-se do sentido e extravasa os limites fixados pela autorização legislativa.

Perante as questões levantadas pela Comissão, existe uma ou duas opções: ou se avança com uma nova autorização legislativa ou os responsáveis pelo projecto optarão por incorporar aquelas sugestões no projecto-lei.

Caso o Governo opte por esta segunda acção, prevê-se que o diploma regresse à Comissão para novo parecer.

15-06-2004 9:22:58

este é o link


publicado por sac3107 às 22:57
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 3 de Junho de 2004
Impostos - Nunes dos Reis nomeado assessor
EX-DIRECTOR REGRESSA
O ex-director-geral dos Impostos, Nunes dos Reis, foi convidado por Paulo de Macedo para ocupar o lugar de assessor do director-geral para a área da Inspecção Tributária. Nunes dos Reis foi o responsável máximo da máquina fiscal durante cinco anos, tendo saído em 2002 incompatibilizado com a ministra das Finanças.
d.r.

Nunes dos Reis regressa para ajudar o novo director-geral
Quando Manuela Ferreira Leite foi chamada, em 5 de Junho de 2002, à Comissão Parlamentar de Economia e Finanças para explicar o negócio das acções do Benfica, que o Correio da Manhã denunciou terem sido entregues como garantia da reclamação de uma dívida tributária superior a 1,5 milhões de contos, apontou o nome de Nunes dos Reis como responsável por ter despachado favoravelmente a pretensão do clube da Luz, considerando as acções “idóneas” como garantia.

Nessa mesma reunião, a ministra das Finanças disse que a sua primeira medida de combate à fraude fiscal tinha sido a exoneração do director--geral dos Impostos. Uma afirmação que não caiu bem na máquina fiscal e que, na altura, “magoou profundamente” Nunes dos Reis, que a classificou como uma ”uma saída infeliz”, acrescentando que que o combate à fraude e à evasão fiscal “não começa pela demissão do director-geral, mas antes por um reforço das acções de inspecção”.

Aquele responsável, falando numa almoço de desagravo, que juntou na Gare Marítima de Alcântara centenas de altos funcionários dos Impostos e o ex-ministro das Finanças, Pina Moura, no dia 21 de Junho de 2002, disse ter apresentado a sua demissão a Manuela Ferreira Leite “um mês e meio antes da exoneração, o que não foi aceite pela nova equipa das Finanças”.

Ignorando, aparentemente, “o episódio Benfica”, o director-geral nomeado fez o convite a Nunes dos Reis.

'ACIMA DE TUDO ESTARÁ SEMPRE A INSTITUIÇÃO

“Sou um funcionário dos impostos, vou para onde me mandarem. Para mim. acima de tudo, estará sempre a instituição Direcção-Geral dos Impostos (DGI)”, afirmou ao Correio da Manhã Nunes dos Reis. o Ex-director geral, manifestou a sua intenção de colaborar “activamente” com o novo director-geral. “Como funcionário tenho trabalhado com todos os directores dos Impostos”, acrescentou aquele responsável que, até ao momento, não exercia nenhuma função dentro da DGI.

Nunes dos Reis não quis comentar a polémica que o opôs à ministra das Finanças por causa do Benfica e que levou à sua saída do cargo de director-geral.

Também nomeado para o gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais foi Luís Manuel Ferreira Pinto, antigo número dois do subdirector-geral da Informática Tributária, Cavalheiro Dias. Luís Pinto vai acompanhar a articulação do plano de informatização tributária implementado pela DGITA.
Miguel Alexandre Ganhão

este é o link


publicado por sac3107 às 21:51
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Junho de 2004
Acções da IGF ficaram «circunscritas» a Lisboa, Porto e Coimbra em 2003
A actividade da Inspecção-Geral de Finanças (IGF) foi condicionada em 2003 por dificuldades de ordem orçamental e pela saída de recursos humanos. Segundo o Diário Económico de quarta-feira, «as acções de fiscalização estão circunscritas aos centros urbanos de Lisboa, Porto e Coimbra».




O relatório de actividades do organismo confirma que o «contributo para o controlo financeiro ao nível dos fundos nacionais e comunitários, ficou aquém do desejado e do possível» nas acções de controlo das entidades do sector público administrativo e empresarial, e ainda dos sectores privado e cooperativo na relação com Estado e a União Europeia.
Em resultado de acções de inspecção, os efeitos financeiros de correcções não tributáveis e sobre matéria colectável totalizou, em conjunto, cerca de 100,7 milhões de euros, além de 8,2 milhões em correcções de imposto e cobranças coercivas.

No âmbito do controlo de fundos comunitários a IGF realizou 117 auditorias ao longo do ano a sistemas de gestão e controlo ou a projectos, envolvendo 342,6 milhões de euros de despesa controlada, das quais resultaram propostas de correcção financeira e elegibilidade duvidosa, que no conjunto não atingiram 11 milhões de euros.


A questão é assumida no relatório de actividades, referente ao ano transacto, deste organismo dependente da ministra de Estado e das Finanças, Manuela Ferreira Leite, refere o diário de economia.

«(...) a exiguidade dos recursos financeiros para afectar a ajudas de custo e deslocações e estadas obrigou a concentrar os recursos em acções menos dispendiosas», deixando de fora o controlo de entidades localizadas fora dos grandes centros urbanos.

02-06-2004 9:18:15

este é o link


publicado por sac3107 às 22:26
link do post | comentar | favorito
|

AUMENTO DAS RENDAS INDEXADO AO IRS
Arrendamento - Governo pondera cláusula de salvaguarda

A prometida reforma da Lei do Arrendamento irá indexar o aumento das rendas à declaração de IRS dos agregados familiares. Segundo apurou o Correio da Manhã esta foi a forma encontrada para garantir uma maior justiça social e equilibrar um mercado que não funciona.
Jorge Godinho

Quem puder pagar mais vai pagar mais de renda: assegurou ao CM um responsável do Ministério das Obras públicas
“Vamos proteger os que menos têm e que sejam, comprovadamente, necessitados”, afirmou ao CM uma fonte próxima do processo, garantindo que, “o Estado não se irá eximir de cumprir a sua função social de apoiar (através de subsídios) quem mais precisa”. No entanto, “quem puder pagar mais, pagará de acordo com os seus rendimentos”, referiu a mesma fonte, que admitiu a necessidade de um reforço na fiscalização quer na atribuição de subsídios, quer na verificação dos rendimentos declarados.

A reforma da Lei do Arrendamento, anunciada duas vezes pelo primeiro-ministro, deverá ser apresentada “até ao fim do mês de Junho”, confirmou a mesma fonte.

Em relação à aplicação da nova Lei, ela irá abranger todos os contratos novos, e terá ainda um efeito retroactivo. “É preciso corrigir as distorções que já vêm de trás”, referiu um responsável oficial, que não quiz adiantar como serão feitas essas actualizações.

“Estamos a falar de uma reforma muito completa, que teve em conta todos os casos previsíveis e foi baseada em inúmeros dados estatísticos”, adiantou.

Em relação à existência de uma possível “cláusula de salvaguarda” que imponha um limite máximo aos aumentos de rendas, os responsáveis governamentais consideram que, com a nova legislação “se conseguiu um equilíbrio entre o direito à habitação e o direito do proprietário ao rendimento do seu prédio”.

“O novo enquadramento legal irá procurar equilibrar as relações entre inquilinos e proprietários. Os inquilinos querem obras nas casas onde habitam, enquanto que os proprietários querem ver as rendas actualizadas”, referiu uma fonte oficial.

O arrendamento urbano terá uma parte comum para os arrendamentos habitacionais e comerciais.

Entretanto, a secretária de Estado da Habitação, desloca-se hoje aos Açores para celebrar os primeiros acordos de colaboração ao abrigo do novo Programa de Financiamento para Acesso à Habitação. (PROHABITA). Este programa, que tem hoje a sua publicação em Diário da República, vai privilegiar a reabilitação de edifícios em detrimento da construção nova.

Aquele diploma alarga a concessão de apoio financeiro do Estado ao alojamento de quaisquer casos de agregados familiares com graves carências habitacionais e permite o financiamento ao arrendamento através dos fundos de investimento imobiliário.

NOTAS

PAGAMENTO

O despejo com motivo no não pagamento de rendas será agilizado. “É preciso dar aos proprietários instrumentos rápidos e eficazes para combater o incumprimento”.

TRANSMISSÃO

A transmissibilidade do arrendamento deverá também sofrer alterações. Actualmente, o contrato pode ser transmitido uma só vez, de acordo com o parentesco.

DEVOLUTOS

Existem mais de meio milhão de fogos devolutos no País. “O mercado de arrendamento não funciona e atira as pessoas para a periferia das grandes cidades”.

Miguel Alexandre Ganhão

este é o link


publicado por sac3107 às 22:20
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Junho de 2004
Falhas do Fisco na aplicação do IMI
Contribuintes reembolsados

A Administração Fiscal está a reembolsar os contribuintes que reclamaram das actualizações do valor patrimonial dos imóveis, revelou porta-voz do Ministério das Finanças.

«As reclamações apresentadas estão a ser resolvidas com prioridade, com juros indemnizatórios caso o contribuinte reclame ou impugne nos termos do Código do Procedimento e Processo Tributário», referiu a fonte.

Na segunda-feira, a Provedoria de Justiça anunciou ter detectado falhas do Fisco na actualização do valor patrimonial dos imóveis, referente ao novo imposto que substituiu a contribuição autárquica, o IMI, e recomendou que a Direcção-Geral dos Impostos «não convide os contribuintes a apresentarem reclamações graciosas», avançando autonomamente com as correcções. A Provedoria aconselhou igualmente ao Fisco um «melhor esclarecimento dos contribuintes» sobre o cálculo do valor patrimonial dos imóveis.

Quanto a esta sugestão, o porta-voz do Ministério das Finanças comentou que «os serviços de Finanças têm estado permanentemente a esclarecer todos os contribuintes que tenham quaisquer dúvidas no âmbito da reforma do património, tendo sido especificamente afectos recursos para o efeito».

O provedor de Justiça aconselhou ainda que, em caso de erro no apuramento dos valores depois de ocorrido o pagamento do imposto, os serviços fiscais reembolsem «de imediato» as importâncias indevidamente pagas, acrescidas de juros indemnizatórios, o que parece estar a ser seguido pelo Ministério das Finanças.

este é o link


publicado por sac3107 às 22:40
link do post | comentar | favorito
|

Há erros na aplicação do IMI
A Provedoria de Justiça detectou falhas do Fisco na actualização do valor patrimonial dos imóveis resultante da aplicação do novo Imposto Municipal sobre Imóveis. E recomenda à administração fiscal um «melhor esclarecimento dos contribuintes» , assim como o «rápido reembolso das importâncias indevidamente pagas».

Numa nota ontem divulgada, o Provedor de Justiça, Jorge Nascimento Rodrigues, considera que «os ónus dos erros da DGCI no apuramento dos mencionados valores não deverão ser transferidos para os contribuintes». A instituição aponta exemplos de reclamações, entre os quais o de um erro dos serviços que «afecta o valor patrimonial de 36 fracções de um prédio urbano, com a agravante de já se encontrarem emitidas as notas de cobrança do Imposto Municipal sobre Imóveis». O Provedor recomenda ainda que seja explicado aos contribuintes o cálculo do valor patrimonial, assim como a indicação dos aumentos previstos para os anos seguintes.

este é o link


publicado por sac3107 às 22:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

...

Convenções para evitar a ...

Deduções e abatimentos no...

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS ­...

Lista de Programas de Fac...

Simulador de IRS 2011

Música céltica - moderna ...

Música céltica - moderna ...

Moedas pouco usuais

Moedas japonesas

arquivos

Abril 2012

Março 2012

Abril 2010

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Fevereiro 2007

Outubro 2006

Agosto 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds