Terça-feira, 13 de Abril de 2004
WeDo apresenta solução para combate à fraude e evasão fiscal
A WeDo Consulting está, há mais de um ano, em conversações com os Ministérios das Finanças e da Segurança Social para vender uma ferramenta informática de combate à fraude e evasão fiscal. Restrições legais têm levantado alguns obstáculos ao avanço das negociações.

--------------------------------------------------------------------------------

Maria João Soares
mjsoares@mediafin.pt



A WeDo Consulting está, há mais de um ano, em conversações com os Ministérios das Finanças e da Segurança Social para vender uma ferramenta informática de combate à fraude e evasão fiscal. Restrições legais têm levantado alguns obstáculos ao avanço das negociações, disse João Machado, «senior manager» da participada da SonaeCom, ao Canal de Negócios, à margem do seminário «Prevenção e Combate à Evasão e Fraude na Administração Pública».

A WeDo Consulting desenvolveu uma aplicação informática que permite cruzar todos os dados, comparar o perfil dos beneficiários e contribuintes e verificar a sua consistência nos diferentes sistemas, desde a Segurança Social à Direcção Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros.

«O contribuinte deve ser agregado para se conseguir detectar a fraude», disse Nuno Periquito, Consultor Sénior da WeDo Consulting.

O objectivo da WeDo é vender a ferramenta à Administração Pública. A empresa propõe um projecto piloto que dure entre dois a três meses para que a administração tenha tempo para testar o sistema e acções de formação que permitam que sejam os trabalhadores dos impostos e da segurança social a funcionar com a ferramenta informática.

Há mais de um ano que fazem demonstrações na Segurança Social e na DGITA, para mostrar que é possível agregar tudo o que é preciso para detectar fraudes numa só ferramenta.

«Tem havido alguma abertura mas nós sabemos que estes processos na Administração Pública são sempre muito complexos e demorados», disse.

A WeDo tem enfrentado principalmente obstáculos legais, como o sigilo bancário, que têm atrasado a evolução das negociações.

Fraude aumenta 13% na União Europeia em 2003

O número de casos de fraude na utilização dos subsídios da União Europeia cresceu 13% em 2003, diz um estudo da UE citado pela empresa de informática SAS no seminário «Prevenção e Combate à Evasão e Fraude na Administração Pública».

Segundo o mesmo estudo, 36% do aumento dos casos de fraude dizem respeito à utilização dos subsídios à agricultura concedidos pela UE, o prejuízo atingiu 2 mil milhões de euros, em 2003.

A Alemanha e a França foram os países que registaram maior número de casos fraudulentos com subsídios da União Europeia.

este é o link


publicado por sac3107 às 20:54
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

...

Convenções para evitar a ...

Deduções e abatimentos no...

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS ­...

Lista de Programas de Fac...

Simulador de IRS 2011

Música céltica - moderna ...

Música céltica - moderna ...

Moedas pouco usuais

Moedas japonesas

arquivos

Abril 2012

Março 2012

Abril 2010

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Fevereiro 2007

Outubro 2006

Agosto 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds